Seu Navegador não tem suporte a esse JavaScript!
Atibaia
CÂMARA MUNICIPAL DE ATIBAIA
  • Lucas de Oliveira Cardoso  - PODEMOS
  • Vereadores
    LEGISLATURA 2017-2020
    Presidente Atual
    Lucas de Oliveira Cardoso
Próxima Sessão

Sessão Ordinária
09/06/2020 às 18h


Exposição virtual da Semana André Carneiro – VII
Foto:reprodução de xilogravura
O artista foi gravador, mas também desenhista.

A exposição modernista realizada em Atibaia há 70 anos foi revolucionária para os padrões da época, como destacou Marcio Zago, o organizador da Semana André Carneiro, que neste ano teve sua 7ª edição. Neste capítulo, vamos falar de Lívio Abramo, cuja obra reproduzida é Meninas de Fábrica, xilogravura de 16,4 x 20,4 cm, de 1935.

     Lívio Abramo foi gravador, ilustrador e desenhista. No início dos anos 20, fez ilustrações para pequenos jornais e entrou em contato com a obra de Oswaldo Goeldi e de gravadores expressionistas alemães. Realizou as primeiras gravuras em 1926. No começo dos anos 30, influenciou-se pela fase antropofágica de Tarsila do Amaral.

     Durante o governo Getúlio Vargas, filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), do qual foi expulso em 1932. Foi preso por motivos políticos por duas vezes. Ainda nessa época, deixou de gravar para dedicar-se ao sindicalismo. Retornando à gravura em 1935, incorporou a temática social em seu trabalho.

     Em 1947, ilustrou o livro Pelo Sertão, do escritor Afonso Arinos de Mello Franco, publicado em 1949 pela Sociedade dos Cem Bibliófilos do Brasil. Com essa série de ilustrações, apresentadas no Salão Nacional de Belas Artes (SNBA), obteve o prêmio de viagem ao exterior. Seguiu para a Europa em 1951. Em Paris, frequentou o Atelier 17, aperfeiçoando-se em gravura em metal com Stanley William Hayter.

     De volta ao Brasil em 1953, foi premiado como o melhor gravador nacional na 2ª Bienal Internacional de São Paulo. Deu aulas de xilogravura na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP). Foram seus alunos, entre outros, Maria Bonomi e Antonio Henrique Amaral.

     Fundou o Estúdio Gravura em 1960, com Maria Bonomi. Em 1962, foi convidado pelo Itamaraty a integrar a Missão Cultural Brasil-Paraguai, posteriormente Centro de Estudos Brasileiros. Mudou-se para o Paraguai e dirigiu até 1992 o Setor de Artes Plásticas e Visuais. Também foi fundador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Paraguai.