Seu Navegador não tem suporte a esse JavaScript!
Atibaia
CÂMARA MUNICIPAL DE ATIBAIA
  • Lucas de Oliveira Cardoso  - PODEMOS
  • Vereadores
    LEGISLATURA 2017-2020
    Presidente Atual
    Lucas de Oliveira Cardoso
Próxima Sessão

Sessão Ordinária
09/06/2020 às 18h


Exposição virtual da Semana André Carneiro – VIII
Foto:reprodução de quadro
O artista Guignard pintou muitas paisagens mineiras.

A exposição modernista realizada em Atibaia há 70 anos foi revolucionária para os padrões da época, como destacou Marcio Zago, o organizador da Semana André Carneiro, que neste ano teve sua 7ª edição. Neste capítulo, vamos falar de Guignard, cuja obra reproduzida é Paisagem de Sabará, óleo sobre tela de 1950.

     Alberto da Veiga Guignard foi pintor, professor, desenhista, ilustrador e gravador. Integrou-se ao cenário cultural por meio de Ismael Nery. Instalou ateliê no Jardim Botânico, que retrata em várias obras. Participou do Salão Revolucionário de 1931 e foi destacado por Mário de Andrade como uma das revelações da mostra.

     De 1931 a 1943, dedicou-se ao ensino de desenho e gravura na Fundação Osório, no Rio de Janeiro. Entre 1940 e 1942, viveu num hotel em Itatiaia, pintando a paisagem local e decorando peças e cômodos do hotel. Em 1941, integrou a Comissão Organizadora da Divisão de Arte Moderna do Salão Nacional de Belas Artes. Em 1943, passou a orientar alunos em seu ateliê e criou o Grupo Guignard. A única exposição do grupo, realizada no Diretório Acadêmico da Escola Nacional de Belas Artes, foi fechada por alunos conservadores e reinaugurada na Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

      Em 1944, a convite do então prefeito Juscelino Kubitschek, transferiu-se para Belo Horizonte e começou a lecionar e dirigir o curso livre de desenho e pintura da Escola de Belas Artes, por onde passaram Amilcar de Castro, Farnese de Andrade (que ilustrou matérias do "Tentativa", jornal editado em Atibaia) e Lygia Clark, entre outros.

      Em 1950, André Carneiro e César Mêmolo Junior viajaram a Minas Gerais para entrevistar Guignard, colhendo informações sobre o curso que o artista ainda ministrava na cidade. A matéria foi publicada no "Tentativa", número 8, página 5. Ele permaneceu à frente da escola até 1962 quando, em sua homenagem, esta passou a chamar-se Escola Guignard.